domingo, 11 de setembro de 2016

CUT, Caldas Trail, trilhos à beira mar


Andava com vontade de fazer uma prova de trilhos à beira mar há já algum tempo. Vimos que o CUT tinha uma versão com 25 km o que era perfeito para nós uma vez que na semana seguinte já tínhamos uma ultra agendada ;)

E assim lá fomos nós até Nadadouro num dia de Verão bastante farrusco. Chegámos mesmo a apanhar uns chuviscos durante a prova. Engraçado como apenas uma semana depois, na Rocha da Pena, apanhámos com o dia mais quente do ano...

Esta prova foi importante porque marcou a estreia da nova camisola de equipa! =)
Pois é, temos novas camisolas, mais leves e com novo design. Agora há uma versão masculina e uma versão com corte mais feminino :) Temos a bandeira portuguesa à frente mas também nas costas (já a pensar nas maratonas no estrangeiro) e temos duas faixas brancas à frente. 
E foi uma honra pois fomos os primeiros da equipa a estrear as camisolas, uma vez que elas chegaram apenas dois dias antes e nós éramos os que tínhamos a prova mais próxima :)

O inicio da prova era relativamente rolante, com algum sobe e desce mas nada de especial. Apesar do tempo ameno, estava um pouco abafado.

Chegámos relativamente rápido ao 1º abastecimento que tinha o habitual, batatas fritas, fruta fresquinha, cola e água. Seguimos caminho e continuávamos a aguardar que chegasse a zona à beira mar, já íamos com uns 10 km e nada...Começámos a achar estranho, se calhar só a ultra é que passava em zonas à beira mar. Ainda por cima começou a levantar-se um nevoeiro e não víamos bem a paisagem. Será que o mar já estava ali perto?


Primeira passagem junto ao mar =)

E o mar ali estava. Não tinha nada que enganar, com aquele cheiro a maresia e com o barulho das ondas estávamos a descer em direcção ao mar.


Ora aí está ele! =)



Era mesmo isto que queríamos. Arribas bonitas à beira mar. 
Corremos em zona de arribas algum tempo até que chegámos a uma zona um pouco mais perigosa, apenas pela sua inclinação e piso. A descer era necessário muito cuidado para não escorregarmos mas estavam presentes bombeiros prontos a intervir caso fosse necessário.


E o 2º abastecimento já à vista.



Aproveitámos como não vinha ninguém a descer naquela altura e pedimos a um dos bombeiros para nos tirar uma foto =)





Depois de um óptimo abastecimento onde o que soube mesmo bem foi a coca-cola, prosseguimos caminho nuns passadiços com vista para a Foz do Arelho.



Foz do Arelho
Lagoa de Óbidos

Descemos em direcção à Foz do Arelho e apanhámos novamente a Eugénia com quem já tínhamos conversado antes. Corremos talvez 1 km ou 2 juntos e depois ela começou a ficar para trás. Entretanto chegámos a uma zona bastante corrível e seria sempre assim até à meta. Sentiamo-nos bem e aproveitámos. Já em Nadadouro o Vitor tem uma ameaça de caimbra e temos que andar um pouco. Acaba por lhe passar e lá seguimos até à meta onde terminamos com 26 km e 4h08m de prova.

Gostámos muito desta prova, percurso bonito, com algumas zonas mais difíceis mas não muito dura, bons abastecimentos e voluntários simpáticos.

No final mais um bom abastecimento, duches e o prémio de finisher... =P

Caldas Trail, prémio de finisher louça das caldas claro...
e dentro da caneca...
Hehehe

Neste momento ainda estão 3 relatos em atraso:
  • Rocha da Pena (já foi há mais de 1 mês!)
  • Corrida do Avante
  • Meia-Maratona das Lampas (feita mesmo ontem)
Mas estou confiante que consigo pôr isto em dia nos tempos mais próximos ;)

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Corrida da Lagoa de Santo André, num dia de imenso calor

09.07.2016

Na semana seguinte aos Moinhos Saloios na Venda do Pinheiro fomos até à Lagoa de Santo André fazer 10 km que adoramos!

Estava um dia super quente e no caminho o carro chegou a marcar 40ºC!!! Que forno! 
Sabíamos que não iria dar para puxar muito mas mesmo assim queríamos dar o nosso melhor dentro dos possíveis.

Selfie com os amigos Mafalda e João.

Os 4 ao km presentes: Vítor, a autora deste blogue e João :)

Encontrámos malta conhecida que é uma coisa que eu adoro nas provas. Rever amigos enquanto a adrenalina vai subindo até ao inicio da corrida.

À hora a que começou a corrida ainda estava imenso calor e isso reflectiu-se nos atletas. Vimos alguns atletas em grande dificuldade, o calor pode ser demolidor. É preciso prevenir! Beber muita água antes e durante a prova, chapéu e protector solar.
Conhecemos bem a prova, para mim foi a terceira vez e para o Vítor a segunda vez que a fez. É uma prova rápida, apesar de duas subidas ligeiras, uma logo de inicio e a outra a meio. Mas com a vantagem de no final ser sempre a descer. A meio tem uma zona de terra batida/areia dura que nos faz perder algum tempo mas nada de especial.

Começámos bem, com alguma precaução na subida inicial e depois progressivamente a acelerar pois sentiamo-nos bem apesar do calor.
Sentia as pernas tão soltas! O recorde dos 10 anda aí à porta, mas nesta prova era impossível tal era o calor. Seja como for, se me sentia bem queria puxar até onde desse e assim fizemos.

Algures entre o km 2 e o 3.

Depois da descida e retorno, vinha a tal subida, a última da prova. Na subida já sabíamos estar a senhora da melancia :) O Vítor, sabendo da minha paixão por melancia em provas, apanhou uma fatia e foi-me dando alguns pedaços. Mhan mhan mhan. Que bem que me soube! E como a melancia é praticamente só água já nem bebi quase água nenhuma, até porque a coisa podia cair mal.

Mais à frente vimos dois atletas deitados na berma embora ambos conscientes. Um deles estava a vomitar... É preciso mesmo muito cuidado. Felizmente até hoje temos sabido gerir sempre a forma como nos sentimos e puxamos pelo corpo mas sem abusos. Acabámos bem apesar de cansados e bastante transpirados.

A umas centenas de metros da meta.

Acabámos com o tempo de 55m16s, a apenas 4 segundos do meu melhor tempo aqui, mas esta foi claramente a vez em que apanhámos mais calor.
É bastante curioso que das 3 vezes que estive presente fiz sempre tempos na casa dos 55 minutos.

Ficámos satisfeitos com o nosso tempo tendo em conta o imenso calor e mais satisfeita fiquei quando vi que tinha sido 17ª em 48 mulheres do meu escalão e fui a 40ª senhora à geral num total de 129 mulheres. Para quem corre pouco acho que não foi nada mau :)

Após a corrida o habitual convívio sempre muito animado.
Em suma, uma tarde/noite bem passadas.

No convívio final.

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Trail Moinhos Saloios, o regresso aos trilhos

03.07.2016

Quase 2 meses após o UTSM regressámos aos trilhos. Precisávamos deste tempo para ter saudades dos trilhos. Este trail acabou por marcar uma nova fase nos trilhos, a fase pós-UTSM...queríamos pôr para trás aquele momento final e nada como começar de forma simbólica com uns novos ténis. Os outros já estavam bastante gastos de qualquer forma e eu já tinha dito ao Vitor que depois daquele final tão amargo não queria voltar a correr com aqueles ténis.
A escolha recaiu novamente nuns LaSportiva, quer para mim quer para ele. Na loja um modelo mais antigo estava em promoção, para comprar o modelo mais recente tinha que desembolsar bem mais! Era mais colorido e mais bonito? Era. Mas no trail pouco interessam essas coisas, de qualquer forma vão acabar todos cagados no final de qualquer prova! Por isso aqui estão eles, são cinzentos com umas zonas a azul claro. Servem o propósito! Já o Vitor trocou o modelo vermelho pelo preto e amarelo.
E o Trail Moinhos Saloios foi uma excelente prova de estreia dos nossos modelitos :)




Estávamos em Julho, num dia onde os termómetros chegaram aos 35ºC.
A partida foi dada num estádio na Venda do Pinheiro.


Começámos logo a subir em alcatrão para depois embalarmos na descida e entrarmos na zona de trilhos. Não seria uma prova rápida, tinha algum sobe e desce e estava imenso calor, mas até nos safámos bem e sentimo-nos bem durante toda a prova. Foi um excelente regresso aos trilhos, senti-me feliz. Sentimo-nos felizes =)







A poucos km's de Lisboa estamos mesmo no campo. 
Encontro imediato com um rebanho:

video

Já tínhamos visto subidas com todo o género de nomes, mas subida do multibanco? A explicação está no facto desta subida ser à saída de uma povoação e na rua da subida...exactamente...haver um multibanco =P


Oh que bom! Tudo o que eu queria...subir!







Isa sempre a apreciar a paisagem.


Completámos os 25 km em 4h27m e no final tivemos direito a isto:

Mhan mhan mhan
Mhan mhan mhan

Como foi bom o regresso aos trails :)
Também não foi inocente. Já antes do UTSM estávamos inscritos para o UTRP. Sim, a infernal Rocha da Pena! E portanto este também foi um treino de preparação para a Rocha da Pena. Até à Rocha da Pena posso já adiantar que fizemos mais um trail e alguns treinos longos de preparação.

Boas corridas!

domingo, 28 de agosto de 2016

Clássica do Atletismo Cabo Espichel-Cotovia, 15 km com muito calor

19.06.2016

Andava já à algum tempo à procura de uma prova com 15 km para tentar bater o meu recorde a esta distância. É o meu recorde mais antigo. Praticamente desde que comecei a correr que se mantém o mesmo. Também é verdade que tenho quase tantas maratonas como provas de 15 km, ou seja, são raras quando comparadas com provas de 10 km ou com meias.

Portanto, havia uma prova de 15 km entre o Cabo Espichel e a Cotovia. Era de aproveitar!
Não contávamos era com tanto calor...

Chegados à Cotovia no dia da prova fomos logo levantar os dorsais. Esta é daquelas provas mais "familiares". Gosto deste género de provas.
Depois apanhámos uns autocarros que nos levaram até à partida no Cabo Espichel.





Ainda era cedo e o nosso autocarro foi o 1º a chegar ao Cabo Espichel. Aproveitámos para dar uma volta e ver as belas vistas. Entretanto vimos algumas caras conhecidas e encontrámos o Catita que nos disse que a prova ainda tinha umas subidas jeitosas, principalmente nos 1ºs km's.
Se antes tínhamos pensado em tentar bater o meu recorde, agora com o calor que se fazia sentir e sabendo que a prova não era nada plana, tentámos pôr essa ideia de lado mas mesmo assim eu queria tentar. Tentar dar o nosso melhor e logo se via...

Está bem está...depois de dada a partida começámos logo ligeiramente a subir... e continuámos com umas quantas subidas...não eram subidas a pique mas era praticamente sempre ligeiramente a subir, o suficiente para se perder pedalada. Estava muito calor, precisava de chegar ao abastecimento rápido!
Mas chegados à zona do abastecimento, a desilusão! Os voluntários já arrumavam as coisas e informaram-nos que a água tinha acabado. Ficámos chateados e um pouco aflitos. Estava mesmo muito calor! Sentia a garganta e os lábios bastante secos, procurei em volta por garrafas que ainda pudessem ter água, mas estavam todas vazias.
Entretanto o Catita apanhou-nos e acabou por seguir conosco até à meta. 

Só por volta do km 8 ou 9 é que o Vitor teve uma ideia (graças aos céus que tenho um homem desenrascado!), desviou-se um pouco da estrada e perguntou a um senhor que estava no quintal de uma casa se ele tinha água. A família, vendo-nos tão aflitos, foi logo buscar uma mangueira onde aproveitámos também para nos refrescar e ainda nos deram uma garrafa de água! Excelente! Agradecemos imenso aos senhores e seguimos caminho já mais hidratados. 
Um pouco à frente aparece um carro em sentido contrário e com uma senhora a distribuir água pelos atletas. Calculamos que fosse da organização, provavelmente no abastecimento informaram que tinham ficado sem águas e vieram em nosso auxílio. Mesmo assim é algo que nunca pode falhar! Água num dia de tanto calor não pode mesmo falhar!

Seguimos caminho com o amigo Catita, o ritmo era normal, à muito que tínhamos esquecido recordes.
Felizmente ainda tivemos direito a um abastecimento antes da meta e depois foi aguentar até ao fim só para terminar.

Quase a chegar à meta liderados pelo bem disposto Catita.

Os 3 companheiros a cortar a meta.

Acabámos com 1h33m50s, longe...bem longe do recorde. Lá vou ter que esperar para aí pelo ano que vem para bater o recorde dos 15 km.

No final tivemos direito a sumo e pão com chouriço =)

Gostámos desta prova, o percurso é bonito e variado (muito sobe e desce), o problema foi mesmo as águas. É pena que tenha falhado pois mancha um pouco a prova. Seja como for, acredito que corrijam e que para o ano não volte a acontecer. 
Esta prova merece um regresso.

p.s. Quatro relatos já estão, faltam outros quatro =)