terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Corrida do Vitória de Setúbal, uma agradável surpresa

26.11.2017


Junto ao Estádio do Bonfim :)

Três semanas após a maratona fomos até Setúbal para participar na Corrida do Vitória de Setúbal. Fizemos a inscrição um pouco em cima da hora mas pareceu-nos uma corrida interessante para fazermos.

Foi uma agradável surpresa. O percurso é bem variado e a partir dos 6 km com umas subidas bem duras.

Estava um dia frio mas com sol. No aquecimento reencontrámos o amigo Manuel Sequeira que já não víamos à bastante tempo.

Sentimo-nos bem desde o inicio e deu para puxar um pouco. O Vítor por ele era sempre a abrir, mas com a Isa atrás tem sempre que travar um pouco =P
Mesmo assim seguimos num bom ritmo. A fase inicial era praticamente toda plana, com ida e retorno à Avenida Luísa Todi mas a partir dos 6 km subia, subia, subia...primeiro uma subida pouco inclinada mas longa, depois umas centenas de metros plana e depois nova subida mais curta mas bastante inclinada! Ufa! 

Pouco depois iniciávamos o retorno e seria sempre a descer até à meta. Rolámos bem e de certa forma foi uma decepção na aproximação à meta pois os nossos relógios deram os 10 km e ainda nem sequer tínhamos entrado no estádio.

Já dentro do estádio também não deu para acelerar muito pois a pista era de terra e com o piso irregular.



Mesmo tendo um pouco mais de 10 km fizemos 55m29s e ficámos bastante satisfeitos, principalmente pelas nossas sensações.

A máquina parecia estar a voltar à forma :)

Gostámos bastante desta prova, caseirinha e com um percurso variado e desafiante.

O casalito no final da prova.
Cansado mas feliz.
Foto tirada pelo amigo Manuel Sequeira.

quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

Maratona do Porto, e vão 9!

05.11.2017


9 Maratonas!

E esta foi arrancada a ferros! Foi claramente a maratona para a qual menos treinámos e, no entanto, conseguimos terminá-la :)

Foi a 3ª vez que fomos ao Porto para fazer a Maratona do Porto e esta é sempre uma festa, carago!

Fomos com o meu pai e lá juntámo-nos aos amigos João e Mafalda e Orlando e Nora.
À chegada a habitual e sempre boa Pasta Party e à tarde um merecido descanso, culminando com uma bela jantarada e agradável convívio em casa do amigo Carlos Cardoso :) Obrigada Carlos!

Com o meu pai à porta da Feira da Maratona.
Os 4 ao km presentes, os 4 habituais nestas lides da maratona :)

Após uma noite descansada e um óptimo pequeno-almoço aqui a Isa começou a ficar nervosa...
Lá vamos nós outra vez alinhar à partida de uma prova com nada mais nada menos que 42 km...E desta vez treinámos tão pouco para a distância...mas tínhamos que conseguir!

AI CA MEDO!!!! =)

No dia da prova.
Vitor, eu, João e Orlando.
Bora lá malta!!!

Aquecemos um pouco e depois, de repente, já era hora...
PARTIDA!

Estava frio embora não estivesse tanto frio como no ano passado e estava um belo dia de sol.
Em suma, um excelente dia para dar um passeio à beira-mar e à beira Douro, quiçá um passeio de 42 km =P

Lá fomos nós, numa passada certinha, a uma velocidade calma.
A caminho de Matosinhos e do porto de Leixões cruzámo-nos com malta amiga e passámos por duas vezes pelo meu pai que gritou pelo Benfica :) (relembro...estávamos a correr no Porto carago!)
A malta começou também a gritar pelo Benfica excepto uma que comentou que já tinha ficado com o dia estragado eh eh eh :)

Fizemos o retorno na zona de Leixões e rumámos ao Porto novamente onde junto ao Castelo do Queijo havia a separação da Family Race e da Maratona. Não havia volta a dar...o caminho era em frente...rumo aos míticos 42.



Por volta do km 17 ou 18 o Vítor diz que precisa de ir à casa de banho com alguma urgência...Isto já começa a ser habitual no Porto, já é a 2ª maratona em que o Vitor tem de parar a meio para ir à casa de banho. Não estávamos perto de nenhum abastecimento e portanto não havia daquelas casas de banho portáteis. A solução foi ir a um supermercado junto ao percurso. Combinámos que eu iria seguir mas reduziria a velocidade para ele conseguir apanhar-me pouco depois...o pouco depois foi por volta do km 25...

Continuei a correr. Sentia-me bem, claro que não estava em grande forma mas até estava a aguentar-me bem. 

Passei na zona da Ribeira onde havia muita malta a apoiar, passei a Ponte D.Luís e procurei o meu pai mas não o vi. Logo pensei que ele não teria tido tempo de ali chegar mas com certeza estaria quando eu já viesse no retorno e assim foi :)

Já em Gaia festejei a passagem à meia-maratona e até deitei a língua de fora para a câmara que aí estava montada eh eh eh :)
Mas estava preocupada. Tinham passado já quase 5 km e o Vitor ainda não tinha aparecido. Não sei como não fiquei com um torcicolo pois estava sempre a olhar para trás, por cima do ombro, a ver se o via.

Cruzava-me novamente com o pessoal que vinha no retorno e muitos perguntavam por ele, eu respondia que ele tinha feito uma paragem para ir à casa de banho mas estava mesmo a ficar preocupada. 

Reduzia cada vez mais a velocidade mas mesmo assim ele não surgia no horizonte.
Aos 25 km, no retorno, cruzei-me com o João que também ficou preocupado. Felizmente pouco depois, e após fazer o retorno, surgiu o Vítor. "Até que enfim!" exclamei. Isto de correr maratonas é mesmo uma aventura ;)

A partir daí seguimos juntos. Já não íamos a 100% mas íamos tentar correr pelo menos até aos 30 km.

Novamente na Ponte D.Luís e desta vez já avistámos o meu pai :)
Seguimos rumo ao km 30 e pouco depois iniciávamos novo retorno, desta vez já seria sempre em frente até à meta. Mas este "sempre em frente" ainda são 9 km!!!

Estava cansada mas sentia-me capaz de me "arrastar" mais um pouco naquela passada de corrida mais lenta, já o Vitor, provavelmente devido à paragem forçada, já não se sentia com muita força. Eu dizia para retardarmos ao máximo o começarmos a andar, pois quando se começa a andar já é muito complicado retornar à corrida. E lá fomos retardando. 31 km. 32 km. Até que aos 33 km avistámos o João e percebemos que também já não ia muito bem e foi então que se juntou o trio :)

Decidimos seguir os 3, a partir daí sempre alternando caminhada com corrida. A coisa estava a custar mas com o passar (lento) dos km's formava-se na nossa mente a imagem da meta. Íamos conseguir! Íamos completar a nossa 9ª maratona!

Já junto ao mar havia algum vento mas nada iria impedir que o trio maravilha terminasse mais uma aventura :)

40 km.

A meta ainda está TÃOOOOO LONGE!!!!

41 km.

É já ali!!!! Mas o já ali está TÃOOOO LONGE!!!!

E então, a meras centenas de metros, comecei a emocionar-me. Nunca chorei mas as lágrimas estavam lá a querer saltar.

Depois de tantas dificuldades na preparação para esta maratona ÍAMOS CONSEGUIR!

QUE ALEGRIA!

Avistei o meu pai. Que bom, tinha conseguido chegar à meta a tempo :)

Comecei a fazer a festa. Começámos a fazer a festa.

YUPI!!! =)
É só alegria!


A cruzarmos a meta de mãos dadas.
Foram uns últimos km's de trabalho de equipa :)
3 atletas muito felizes.

Entrámos no tapete vermelho e começámos a festejar. Cortámos a meta os 3 de mãos dadas após 5h16m09s.

E pouco depois festejámos junto do meu pai, Mafalda e Nora com o Orlando que já vai na sua 19ª maratona!

No ano passado fizemos aqui 4h23m, aquele que continua a ser o nosso recorde. Estamos a falar de quase 1h de diferença. Mas só quem corre uma maratona sabe que os tempos pouco importam. Até podíamos ter sido os últimos que a alegria seria a mesma. São 42 km de pura alegria e um enorme esforço tão recompensador :)

E vão 9!

segunda-feira, 1 de janeiro de 2018

Feliz 2018!

Amigos, um excelente 2018 para todos!

Que 2018 vos traga saúde e alegria e claro muitas e boas corridas :)

Nós acabámos o ano da melhor forma, a correr a São Silvestre da Amadora que foi uma grande festa! Espectacular como sempre!

Uma das minhas resoluções para este ano é colocar o blogue em dia =P

Na S.Silvestre da Amadora :)

domingo, 10 de dezembro de 2017

20 km Almeirim, a esperança renasce

29.10.2017

Após a desgraça que foi a Meia da Vasco da Gama, na semana seguinte decidimos tentar fazer um longo de 30 km. Era o tudo ou nada. Se conseguíssemos, independentemente do tempo, ficávamos mais optimistas e voltávamos a acreditar ser possível terminar a nossa 9ª maratona. Mas se não conseguíssemos completar 30 km então seria difícil ter algum optimismo para a maratona.

Arriscámos e fomos até aos 15 km de forma a sermos obrigados a voltar tudo para trás, terminando com 30 km. O máximo que podia acontecer era termos que andar, mas não foi preciso :)
Corremos 30 km em 3h28m o que foi para nós excelente! Os restantes 12 km da Maratona nem que nos fossemos a arrastar, mas tínhamos que terminar!

E na semana a seguir a este treino longo fomos até Almeirim para a sempre animada prova "20 km de Almeirim".

E é sempre bom rever os amigos desta grande equipa, agora reforçada por mais uma mulher :)
Bem-vinda Sofia!

A equipa presente:
João, eu, Vítor, Sofia e Aurélio

Foi uma agradável manhã passada a correr. 
Este ano o percurso foi diferente das edições anteriores. Habitualmente corremos em direcção ao Lago/Barragem dos Patudos mas este ano corremos em direcção a Santarém onde passámos a ponte antiga e após a qual fizemos o retorno.




Como podem ver pelas imagens, também este percurso é muito bonito. Corremos rodeados de verde e de campos. Ao passar por cima do rio Tejo é que ficou uma imagem mais marcante, a do rio quase seco em finais de Outubro. E em inícios de Dezembro, quando escrevo estas linhas, a imagem não deve ter mudado muito tal é a pouquíssima chuva que tem caído.



O rio Tejo...


Após o longo da semana anterior ficámos com mais força e garra e em Almeirim fizemos 2h04m40s, nada mau para mais um dia de calor.

Após a prova o habitual convívio à volta da sopa da pedra, uma de muitas boas razões para participarem nesta corrida :)

Nós os dois, à tarde, ainda fomos com o meu pai conhecer o Pilar 7 da Ponte 25 de Abril.
Uma experiência bem gira, quer a vista lá de cima, quer a experiência de realidade virtual :)

E a uma semana da Maratona do Porto o espírito era bom, mais optimistas embora com receio e com plena consciência que o objectivo seria "apenas" terminar. E "apenas" terminar significa sem pensar em tempos, porque todos sabemos que "apenas" terminar é bem difícil!!! Mas é uma enorme satisfação :)

Corridas felizes!

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Meia Maratona Vasco da Gama, sofrer, sofrer, sofrer!

15.10.2017

A 3 semanas da Maratona do Porto fizemos a Meia da Ponte Vasco da Gama.
Esteve um dia de muito calor e sabíamos que não estávamos em grande forma...mas sofrer tanto também nunca pensei. Em 26 meias esta foi a 2ª pior! Só fiz pior tempo na minha estreia, estreia essa em que não sofri nem metade do que sofri nesta!

Mas enfim...há dias assim. Faz parte do maravilhoso mundo das corridas, se fosse fácil não tinha piada ;)

Tal como habitualmente apanhámos o autocarro no Oriente que nos levou até ao tabuleiro da ponte, desta vez a partida foi mais atrás o que deu para correr mais tempo em cima da Ponte Vasco da Gama :)

O casalito com o amigo João Lima a caminho da ponte.
Já na Ponte Vasco da Gama.

Não tínhamos grandes aspirações para esta prova, para nós seria "apenas" um treino longo para a Maratona do Porto, mas não esperávamos que nos custasse tanto.



Foram loooooongos 21 km.
Começámos relativamente bem, numa passada certinha, mas ali por volta dos 12 km a coisa começou a custar. Como já sabemos que a partir do momento em que se começa a caminhar já é muito difícil retomar a passada de corrida lá nos fomos aguentando/arrastando até onde conseguimos. 

Sabia que o meu pai estava por volta do km 17, então comentei com o Vitor que iria tentar aguentar-me até chegar lá e lá conseguimos, passámos junto ao meu pai na Rua da Prata e poucas centenas de metros depois começámos a andar. E muito já tínhamos nós aguentado!

Lá vão os amarelinhos :)

A partir daí foi sempre a alternar caminhada com corrida.
Não bastava o imenso calor que se fazia sentir, este ano houve uma alteração no percurso. Em vez da meta ser no Parque das Nações, este ano foi no Terreiro do Paço, mas para isso tivemos que subir toda a Avenida da Liberdade até ao Marquês de Pombal para depois descer e acabar junto no Terreiro do Paço. Subir a Avenida da Liberdade com mais de 30ºC e quando já se tem quase 18 km nas pernas....ui!!!!! Foi muito custoso, eu só queria que aquilo acabasse rápido, não foi de todo uma prova fácil.

Junto à meta tinha os meus pais à minha espera.

Foram 2h20m18s (2h20!!!!!!!!tão longe de recordes!!!) muito custosos mas está feita :) Mais uma meia-maratona para ambos :)

A 3 semanas do Porto não estava nada optimista. Custou-me tanto fazer 21 km! Como raio íamos fazer 42 km??!!?? Mas uma maratona é aquela coisa super especial em que ganhamos poderes especiais ;)

p.s. Estou orgulhosa de mim =) Já só tenho relatos de 4 provas em atraso.... =P

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Corrida do Tejo, com treino longo

24.09.2017

João Branco, Aurélio, João Lima, eu, Vitor, Eberhard e Orlando 

Duas semanas após a Corrida Jumbo fomos até à minha terra para fazer a sempre especial Corrida do Tejo. 
Planeámos um treino longo para este dia, a ideia era correr 10 km antes da prova, de Oeiras a Algés e depois fazer a prova (de Algés a Oeiras). E assim fizemos. Total: 20 km.

Chegados a Oeiras bem cedo iniciámos o nosso treino já com algum calor, mas como fomos sempre nas calmas e na conversa nem demos muito pelo esforço e chegámos bem a Algés.
Em Algés reunimo-nos com os amigos e companheiros de equipa e preparámo-nos para iniciar a prova já com 10 km nas pernas. Só vos digo...não foi nada fácil...

Sabem como é, numa prova queremos sempre puxar mais um pouco. Tudo bem que no fundo estávamos a fazer um longo de 20 km, mas os últimos 10 eram em prova, o pessoal quer sempre acelerar mais um pouco...

Até começámos bem mas aos poucos fui perdendo o gás. O Vitor safou-se lindamente para quem tinha sido operado à menos de 1 mês. Já eu...Por volta do km 7 ou 8 tive que caminhar um pouco, não estava a aguentar o ritmo e comecei logo a ver o Porto por um canudo. Se nem 20 km conseguia correr como deve ser quanto mais 42 !!!! Mas às vezes há milagres ;)

Apesar de uma prova um pouco sofrida (o calor também não ajudou) acabámos com 1h03m44s. Tempo fraco mas tendo em conta que foram 20 km nas pernas até nem foi mau de todo :)

A mês e meio da Maratona do Porto este foi o nosso primeiro treino longo...A coisa prometia para o Porto.... =P

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

Corrida Jumbo/Autódromo do Estoril, regresso pós-queda

09.09.2017

Não ralhem comigo! Outra vez...Este blogue está com os relatos super em atraso!!!
São "só" 6 provas em atraso sendo uma delas uma maratona...
Mas isto vai ao sítio, aos pouco vou pondo a escrita em dia e quando der por isso estou a escrever logo no próprio dia da prova :)

Após a queda na Rocha da Pena (em Agosto...) estive parada duas semanas e depois comecei aos poucos a correr. Coincidiu nesta altura a tal operação do Vítor, sendo que entretanto foi ele que ficou parado em recuperação. Resumindo, entre um e outro a coisa esteve parada 1 mês. Claro que quando regressámos aos treinos foi muito custoso. Perdemos toda a forma que tínhamos pré-Rocha da Pena.

Com o aproximar da Maratona do Porto os treinos eram escassos e fracos, por vezes muito fracos. A coisa não estava famosa mas tínhamos que tentar. Lá nos inscrevemos para algumas provas, tendo umas corrido melhor que outras.

A 9 de Setembro queria TANTO ter ido à Meia das Lampas mas ainda não tinha treinos para fazer uma meia-maratona, ainda por cima "A" meia! Fiquei mesmo com muita pena de ter falhado as Lampas, desde que corro que todos os anos marquei presença. Este ano não deu mesmo mas contamos regressar no próximo ano :)

Não me sentia preparada para uma Meia mas 10 km conseguia com certeza fazer.

Assim, fui pela segunda vez à Corrida do Autódromo do Estoril. Desta vez corri sozinha, visto o Vítor ainda se encontrar em recuperação, mas tive o apoio do meu homem :)




Iniciei a corrida com algum receio por ser a minha primeira prova após a queda e por ainda sentir uma impressão no joelho, mas cedo me senti bem e com força e ups...acabei por me entusiasmar.

Tinha pensado fazer uma prova mais tipo treino sem grandes acelerações, fazer à volta de 1h, 1h e pouco, mas como me sentia bem claro que acelerei.




Correr no autódromo é um sentimento especial pois estamos numa pista de automóveis e esta pista em específico não é assim tão plana, pelo contrário até tem algum sobe e desce. Mas lá me aguentei, sentindo o entusiasmo e o espírito de uma corrida e acabei por fazer 55m49s :)
Fiquei super feliz! Para a minha forma do momento foi óptimo fazer abaixo dos 56 minutos e deixou-me mais optimista para as provas seguintes e até para a maratona.

A prova seguinte, a Corrida do Tejo, já não correu assim tão bem mas sobre essa falamos noutra altura.


Felicidade minutos após cortar a meta