segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

20 km em dia de aniversário

Este ano o meu aniversário calhou a um domingo. Eu bem queria uma prova nesse dia, mas aqui na zona não havia nada de especial por isso optámos apenas por fazer um treino longo. E já agora queríamos fazer um bom treino longo :)

Assim começámos o treino na zona do INATEL de Oeiras e seguimos até Algés, o plano era fazer 20 km. Durante o treino como nos sentimos bem, decidimos tentar fazer os 20 em menos de 2h, o que em treino nunca tínhamos feito, só em prova.
E assim foi. Sentiamo-nos bem e corremos bem, a meio encontramos o João e ainda corremos um pouco com ele, mas o plano dele era um treino mais longo e daí obviamente uma velocidade não tão rápida. Acabámos por seguir.

Para chegar aos 20 km ainda tivemos que ir até à Praia da Torre e voltar novamente até ao INATEL de Oeiras. Concluímos o treino em 1h58m17s! Em 7 provas de 20 km só fui mais rápida que isto numa!!!
Foi uma óptima maneira de começar o meu 29º aniversário (nem me digam nada...estou quase nos 30...). Correr mais rápido do que na maioria das provas de 20 km foi um bom sinal para o que aí vem :)

Ficámos super satisfeitos com este treino e agora venham os próximos!

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Balanço de 2016/Planos para 2017

Após a escrita da última prova do ano, é altura de fazer um breve balanço do ano no que a corridas diz respeito.
Em 2016 fizemos 30 provas, exactamente o mesmo número que em 2015, 12 foram provas de trilhos, 18 foram de estrada. 
Das 12 provas de trilhos 5 tinham 42 km ou mais, destas 5, 3 não foram concluídas. Destas 3 uma tinha 100 km e fomos injustamente barrados a cerca de 5 km do fim, outra tinha 42 km (Trail Centro Vicentino da Serra) mas fomos barrados/desistimos por volta dos 30 km, a outra tinha 50 km (Rocha da Pena) e desistimos devido ao calor extremo por volta do km 29.

Resumindo a coisa não foi um grande ano para nós nos trilhos pelas mais variadíssimas razões. Este ano felizmente a coisa já começou um pouco melhor nos Trilhos dos Reis (ex Trail Centro Vicentino da Serra). Não estamos a planear um ano com tantas provas de trilhos, mas por outro lado queremos fazer poucas mas boas. Vamos ver o que sai este ano, mas para já a coisa até começou benzinho.

Quanto à estrada, das 18 provas, 2 foram maratonas e 5 foram meias-maratonas.
Enquanto o ano para os trilhos não foi dos melhores, em compensação na estrada foi dos nossos melhores anos e para mim claramente o melhor graças a 3 recordes batidos nas principais distâncias, 10 km, meia-maratona e maratona.
O da maratona foi o primeiro a ser batido logo em Março em Barcelona, seguiu-se o dos 10 km em Setembro na Corrida do Tejo, voltei a bater o meu recorde à maratona em Novembro no Porto e desta até o Vítor bateu o seu recorde que já vinha da sua 1ª maratona. Em Dezembro bati o recorde da meia-maratona nos Descobrimentos.

Os meus recordes actuais são os seguintes:
  • 10 km: 52m11s
  • Meia-Maratona: 1h56m38s
  • Maratona: 4h23m32s

Quanto a planos para 2017 não definimos nada de especial.
Já temos as maratonas definidas, a seu tempo saberão quais são. E uma ou outra prova em que temos ideias de participar. Depois eu tenho o objectivo de bater os meus recordes aos 10 km, 15 km e meia-maratona. E ambos gostávamos de voltar a bater o da maratona, mas isso não é o principal numa maratona, como todos sabemos :)

E o grande objectivo de 2017 assim como dos anos seguintes será sempre continuarmos a correr felizes e a ter saúde para isso!
Por isso, CORRAM MUITO, CORRAM FELIZES!

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

São Silvestre da Amadora, acabar o ano rodeados de alegria

31.12.2016

Já é tradição. Desde que corro que todos os anos não perco a São Silvestre da Amadora. E claro que desde que estamos juntos que a corremos juntos. Esta é mesmo imperdível pelo apoio do público e por ser a despedida de um ano de corridas.
Independentemente de como corra, no final o sentimento é sempre bom pois aquele público faz valer o esforço. E este ano que grande esforço foi!

Antes da prova o habitual desfile de motas e carros antigos, este ano fiz uns pequenos filmes com o telemóvel.



video


video

Éramos 4 os 4 ao km presentes mas como não sabíamos do Eberhard antes da prova, só estamos 3 na foto. E vê-se bem a alegria nos nossos rostos por estarmos prestes a correr uma das míticas.

Vitor, eu e João Lima.

Tinha pensado já há várias semanas que se me sentisse bem gostava de tentar bater o meu recorde dos 10 km nesta prova. Sim, é uma prova só sobe e desce, não é fácil para recordes mas eu queria tentar.
Mas logo nos primeiros metros percebi que hoje não seria o dia.
Estava muito frio e talvez por isso demorei a aquecer, logo nos primeiros metros sentia que quer as coxas quer os gémeos não estavam bem. O João que ia animado ainda me deu força, mas eu disse-lhe logo naquelas primeiras centenas de metros que hoje não era o dia. Mesmo assim dei o meu melhor.
Primeiros 3, 4 km sofridos. Ao 5º km comecei a soltar-me, aproveitei uma descida e embalei, a partir daí o João ficou para trás e segui só com o meu Vitor. Mas o João tinha uma boa desculpa, de manhã já tinha feito a São Silvestre de Lisboa :)


A partir do 5º km a coisa realmente melhorou um pouco, mas segui sempre até ao fim com as pernas um pouco presas e sem conseguir dar o máximo.
Na famosa Subida dos Comandos até conseguimos manter um ritmo bastante aceitável tendo em conta a inclinação dela...então na parte final aquilo empina mesmo! Chegados cá acima foi estabilizar a respiração e depois aproveitar a parte final, quase sempre a descer. Os 2 últimos km's foram abaixo de 5min/km, tendo o último km sido o mais rápido da prova.

A acelerar por ali abaixo, com o Vitor a puxar por mim.
Terminámos com 55m11s, em cinco presenças, foi a minha 3ª melhor. Longe do meu melhor ali, mas neste dia não era mesmo o dia para recordes.

Agora vamos ao que interessa. Este foi o relato da prova, da corrida em si, mas a São Silvestre da Amadora é muito mais que isso, é uma grande animação! Não há mesmo prova igual a esta! E pelas duas fotos acima vocês bem vêem as ruas com gente. Pois imaginem que havia zonas que mais parecia que estávamos na Volta à França, era tanta gente e depois nas curvas quase que não havia espaço para passarmos de tanta gente! E muitas crianças a darem hi-5's nas nossas mãos. E muita gente a desejar bom ano aos atletas e muitas senhoras a gritarem "Força menina!", "Força mulher!". 
E depois há as surpresas =) A meio da prova, já na segunda parte da prova, de repente numa curva cheia de gente, ouço alguém gritar "Isa!!!". Era o meu pai =) Se ele não tivesse gritado por mim eu nem o via, pois era tanta gente! No final voltei a revê-lo, também ele gostou muito da animação do publico do qual também ele fez parte.

Em termos desportivos não foi a minha melhor corrida mas who cares? Foi a São Silvestre da Amadora e basta!

Este foi o relato da nossa última prova de 2016, agora só estou em falta convosco para relatar a primeira prova de 2017 =)

Um excelente 2017 para todos vocês caros leitores!

sábado, 21 de janeiro de 2017

Trail do Cabo Espichel, passeio à beira-mar num dia de frio

18.12.2016

Mais de um mês depois cá estou eu a relatar mais uma aventura a dois, desta vez o Trail do Cabo Espichel. 
Depois desta "só" falta relatar a São Silvestre da Amadora e os Trilhos dos Reis...Já faltou mais... =P

Como já foi há mais de um mês já ninguém se lembra mas o dia 18 de Dezembro foi um dia muito frio! Claro que com o frio que tem estado nos últimos dias em todo o país, aquele dia já distante já não parece assim tão frio...seja como for estava bastante frio e também tivemos "fresquinho" mais que suficiente agora mais recentemente nos Trilhos dos Reis...mas isso fica para outro relato ;)

Embora não seja o tipo de prova de trilhos que adoro, de vez em quando apetece-me correr à beira-mar em trilhos. É bonito e parece que torna a prova mais ligeira.
Esta já a tínhamos feito e gostámos, por isso resolvemos repetir a dose visto serem 31 km, bom para nos prepararmos para os 44 km dos Trilhos dos Reis.

A passar a ponte 25 de Abril ao nascer do sol. 

Chegados à Azoia tivemos que ganhar coragem para sair do carro. O problema ali naquela zona é o vento. E vento+frio=vento gelado que até arrepia a espinha!

A partida foi dada e nós, assim como a maioria, íamos bem apetrechados, corta-vento, luvas e fita tapa-orelhas.

Ali vamos nós do lado esquerdo, o Vitor até vai a ajeitar as luvas.

Pelo desnível positivo da prova sabíamos ser uma prova mais ou menos corrível e no geral foi, claro que lá pelo meio havia umas coisinhas engraçadas, principalmente nas zonas de arribas.
Os primeiros km's foram super corríveis, com alguns km's a 5 e tal ou 6min ao km.
Depois seguiu-se uma zona de arribas a exigir mais cuidado mas nada de extraordinário.




Mesmo assim as zonas de arribas foram alternando com boas zonas para correr. Sentíamo-nos bem, as pernas claramente mais fortes e a aguentarmo-nos bem naquelas subidas não tão íngremes.
Chegámos ao 1ºabastecimento no Cabo Espichel e durante os km's seguintes continuaríamos em zonas mais ou menos corríveis.




E depois chegou isto...
Quando pensávamos que até estava a ser fácil vem uma bela duma subida, mas uma vez lá em cima o esforço valeu a pena. Um single-track cheio de arbustos (bons para arranhar bem as pernas, mesmo!) e uma vista fantástica sobre a margem sul, rio Tejo, Lisboa e Serra de Sintra ao fundo.




O que vale é que depois de uma boa subida há sempre uma boa descida, que é como quem diz, uma descida a pique daquelas que a malta da frente vai a voar e que a malta de trás (leia-se nós incluídos) faz com todo o cuidado, só a travar, com medo de se esbardalhar por ali abaixo =P


Eu em grande estilo a descer...ou não...eh eh eh
Nesta altura há devíamos ir com mais de 20 km e as zonas corríveis já não eram assim tantas, mesmo assim chegámos ao último abastecimento ainda com forças para sorrir:


Claro que como qualquer prova de trilhos que se preze, o "melhor" está quase sempre guardado para o fim. Quando já vamos com 20 e muitos km's nas pernas, começamos a descer, a descer, a descer, a descer pelas arribas abaixo, a vista era linda claro, mas tudo o que desce....portanto quando já íamos com uns 30 km nas pernas toca de fazer a pior subida de toda a prova. A única coisa que nos consolava é que a meta só podia ser lá em cima. A prova teria cerca de 31 km.
Subimos até relativamente bem, mantendo um ritmo lento mas mais ou menos constante e sem paragens. Chegados lá acima houve um anjo que nos disse que faltavam só umas centenas de metros. E não é que era verdade? =P

Concluímos os 31 km do Trail do Cabo Espichel em 4h50, o que foi muito bom para nós. Um dos objectivos era acabar abaixo das 5h e conseguimos, o outro era mais fácil, era apenas melhorar o anterior tempo que tínhamos feito há 2 anos e conseguimos por larga margem, menos 50 minutos que há 2 anos! Tendo em conta que até achámos esta versão mais difícil, foi um resultado muito bom para nós.

E foi esta a última prova de trilhos do ano, acabámos em beleza um ano que não nos foi muito favorável em matéria de trilhos. Não importa como começa mas sim como termina, certo? =)

Dentro de dias o relato da última prova do ano, a fantástica São Silvestre da Amadora.

Boas corridas!

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Trilho da Benfeita, aventura na Serra do Açor

Na semana seguinte a ter batido o meu recorde pessoal à meia-maratona fomos até à Serra do Açor para celebrar uma data especial para nós =)
Já lá tínhamos ido há 2 anos como podem ler aqui e adorámos. Desta vez vimos as previsões meteorológicas e vimos que íamos apanhar bom tempo. Desta vez é que iriamos tentar fazer o famoso trilho da Benfeita. Existe uma prova de trail com o mesmo nome que passa nesta percurso pedestre.

Assim, aproveitando o fim-de-semana prolongado em Dezembro lá fomos nós até à lindíssima e ainda pouco explorada Serra do Açor.
Foi um fim-de-semana muito bom e a meio lá fomos nós dar um pulinho à Benfeita. Vêm conosco? ;)


Uns amigos que encontrámos pelo caminho.


Apesar do sol, estava muito frio e um vento gelado, portanto fomos bem agasalhados e por precaução levámos as mantas térmicas na mochila e comida, águas, gorros etc... Por precaução também enviei sms's aos meus pais a dizer onde estávamos mas azar dos azares não havia rede na Benfeita e as sms's não entravam...A meio do percurso o Vitor lá apanhou rede no dele e liguei ao meu pai só a informar onde estávamos :)

O Trilho da Benfeita é um trilho circular marcado e sinalizado com 10 km e na página do trilho informava que era difícil e com a duração média para o percorrer de 5h. Calculámos que demoraríamos menos pois sempre que desse iríamos correr ou caminhar rápido.
Levámos também conosco a brochura PDF que tínhamos imprimido da net com uma breve descrição do percurso.

Começámos cedo na bonita aldeia da Benfeita, o plano era acabar pela hora de almoço.
Ligámos os relógios e lá vamos nós seguir as sinalizações.



O Sardal era o nosso primeiro destino sensivelmente a meio do percurso. Até lá seria quase sempre a subir, mas depois era maioritariamente a descer.
Começámos bem...logo ainda dentro da aldeia já íamos seguir pelo sítio errado, felizmente uns habitantes da aldeia vendo-nos equipados, perguntaram-nos logo se queríamos fazer o trilho e indicaram-nos o caminho correcto.
Agora sim, aí vamos nós! :)



Mais amigos =)

O percurso começou fácil, junto a campos bonitos mas depressa inclinou e não tardámos a embrenhar-nos mais na floresta. A certa altura deparámo-nos com uma árvore tombada que semi-obstruía o caminho mas deu para passar. Continuámos a subir.



A meio da subida parámos para um picnic e para tentar apanhar rede...Está bem está...
De vez em quando apareciam ligeiras quedas de água e ouviam-se alguns sons não identificáveis....certamente de bichinhos fofinhos esperava eu...
Finalmente chegávamos ao "topo", pelo gráfico seguia-se uma zona plana e depois a aldeia do Cardal.

O "topo".
Podia não ser o ponto mais alto, mas depois de embrenhadissimos na serra
 e praticamente sempre à sombra, avistar o sol soube mesmo a "topo".

A zona plana, onde acabámos por aproveitar para correr um pouco.
Lá em baixo a Benfeita, nosso local de partida.

Chegávamos ao Cardal, sinal de vida...pensávamos nós...Mas antes toca de saltar por cima de mais uma árvore tombada.

Cardal.
Chegada ao Cardal :)

No Cardal lá conseguimos ligar ao meu pai.
Na aldeia não vimos ninguém, parecia uma aldeia fantasma. Na aldeia havia as sinalizações e continuámos no nosso caminho, mais à frente havia mais uma marca numa parede de xisto e depois não se via mais nenhuma mas como nesta altura o percurso era em alcatrão, achámos que íamos bem, mais à frente já devia aparecer outra marca...Chegados a um cruzamento nada....humm...aqui tinha que haver qualquer coisa...ainda fomos um pouco à frente mas não se viam marcas. Estávamos no caminho errado, felizmente em estrada, por isso era fácil voltar para trás. Regressámos à ultima marca avistada procurando outras e nada. Entrámos pela aldeia adentro mas tirando aquelas que já tínhamos passado, mais nenhuma. 
Entretanto junto à ultima marca avistada no tal muro de xisto, talvez fosse para subir uns degraus que lá estavam e depois de facto havia um percurso em trilho a subir...mas isso seria estranho, visto que a descrição que tínhamos nos papeis dizia que a seguir ao Cardal era a descer por caminhos e levadas estreitas. Mesmo assim tentámos avançar umas dezenas de metros só para ver se haveriam marcas a sinalizar o percurso mas nada...Também não era por aqui...

Já começávamos a pensar em chamar um taxi ou em bater à porta de alguém...
Felizmente não era nada de grave, não estávamos perdidos, sabíamos bem onde estávamos (Cardal) e estávamos junto a estrada, simplesmente não encontrávamos era o caminho correcto para prosseguir. Voltámos ao caminho que seguia pela estrada, desta vez fomos quase 1 km à frente mas não haviam marcas. Não podia mesmo ser por aqui!

Começámos a pensar que a única hipótese era que devido aos fogos do Verão ou a algumas chuvadas ou temporais em Novembro o percurso pudesse estar oculto. 

E voltámos à carga em buscar do trilho e lá encontrámos aquilo que parecia o mais plausível de todos. Meio escondido, do lado esquerdo da estrada. Era estreito e a descer. Começámos a descer mas continuávamos sem ver sinalização... Ca raio mas agora tínhamos que estar bem. Continuámos a descer e chegámos a uma levada. Porra, se não era aqui então não sei!!!

E mais à frente uma cascata, a famosa Fraga da Pena?!? Achamos que sim, mas certezas...




O que é certo é que sinalização zero! E depois o percurso até começou a ficar com muita vegetação e não se percebia por onde seguia o trilho.... Por nós chegava, era arriscado prosseguir apesar do bom tempo. Voltámos para trás, para o Cardal. E eu tive uma ideia fantástica =P eheheh. Num cruzamento já em estrada tinha placas com indicações e um deles dizia Benfeita!!! Para cima tinha sido por trilhos, para baixo íamos pela estrada. Não havia nada que enganar! E foi a melhor coisa que podíamos ter feito nesta situação. 

Agora, com tantas tentativas de encontrar o percurso, escusado será dizer que já íamos com cerca de 10 km! E bem menos de 5 h.

Despeçam-se do Cardal :)
Agora é só embalar para baixo =)

A meio da descida vimos 3 carros parados encostados à berma...Hummm...que estariam ali a fazer??? Com a história do outro que tinha andado fugido da polícia no meio dos montes, a nossa imaginação agora fervilhava....Corre!!!! Ehehehe =P

Quando avistámos a Benfeita após curvas e contra-curvas respirámos de alívio :)



Satisfeitos com a nossa aventura.

Foram cerca de 14 km em bem menos de 5h :)

Adorámos esta pequena aventura. Fomos aventureiros, mas quando tivemos que tomar decisões conscientes tomámos.

Até à próxima querida Serra do Açor!

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Meia-Maratona dos Descobrimentos, e caiu um recorde com 3 anos!

04.12.2016

Pela 4ª vez fomos à Meia-Maratona dos Descobrimentos onde somos totalistas.
Esta é especial pois foi aqui que logo na 1ª edição bati o meu recorde pessoal à meia-maratona e o recorde aí ficou desde 2013! É muito tempo.

Desta vez a minha mãe também esteve presente mas na caminhada.

João, nós e a minha mãe.
Com a minha mãe que por acaso levava o meu impermeável! =P

O dia estava frio e com muita chuva. As poças foram uma constante durante a prova.
Tinha um objectivo para esta prova, o recorde tinha 3 anos e tinha sido aqui neste percurso bem rápido. Hoje era o dia de bater esse recorde de 1h58m52s.
Também o João queria bater o seu, também já bem antigo. E na forma que ele está, nem duvidámos que conseguiria :)

Começámos os 3 juntos, o Vitor como é hábito a impor um andamento rápido, a puxar por mim. De inicio o João ainda seguiu conosco, mas logo nos 1ºs km's seguiu caminho rumo ao seu objectivo. Nós continuámos no nosso e a aguentar-nos com uma boa média, prometia recorde mas ainda era cedo para certezas.
A chuva chateava e as poças também pois de vez em quando lá nos desviávamos de algumas bem grandes. Perto do retorno, na zona de Santa Apolónia, cruzámo-nos com o João, ele ia em bom andamento...tão bom andamento que nem nos viu apesar de eu bem lhe ter acenado.

Conseguimos manter um bom ritmo mas só já nos km's finais é que acreditei mesmo que ia dar.
Fazia contas  mentalmente e achava que com jeitinho até ia ao minuto 57, mas à medida que nos aproximávamos da meta percebi que se calhar ainda ia ser no minuto 56! O que significava 2 minutos a menos do meu anterior recorde. E assim demos largas à passada e foi a sequência que se segue a meros 50 metros da meta.

Sequência de fotos da nossa chegada.
Vejam bem as 3 fotos e atentem em como as nossas passadas iam mesmo sincronizadas.
Mais sincronizados era impossível!
E o que dizer da minha cara de esforço?
Ah mas valeu a pena! =)

1h56m38s foi o resultado final e meu novo recorde pessoal! =)
YEAHHH!!!
Tirei mais de 2 minutos ao anterior recorde e consegui bater o 3º recorde pessoal este ano. Em Setembro foi o dos 10 km, em Novembro o da maratona e em Dezembro o da meia-maratona. Foi um ano em cheio nas corridas de estrada.

No final e logo após termos cruzado a meta vêm entrevistar-nos para a reportagem da RTP2...logo nós que adoramos as luzes da ribalta...(tom irónico). Resumindo as coisas, estávamos tão cansados pois tínhamos acabado mesmo de chegar que nos trocámos todos e não nos safámos lá muito bem, logo eles cortaram-nos da reportagem eheheh =P

Pouco depois encontrámos o João que nos confirmou aquilo que já sabíamos, pois se eu tinha feito um tempo muito parecido ao seu anterior recorde e ele agora tinha chegado antes de nós, óbvio que só podia ter batido também o RP dele à meia e bateu em grande como já podem ter lido no seu blogue =)

Foi pois uma grande manhã.
Apesar da chuva, que só deu tréguas mesmo nos km's finais, foi uma excelente corrida para todos e uma boa caminhada para a minha mãe.

Agora venha o próximo recorde!
E o próximo artigo! (dizem vocês eheheh)

Depois da meta, satisfeitos com o resultado.
Três atletas muito satisfeitos e dois recordistas!