segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Semana de treinos 07.01-13.01 e Corrida S.Domingos de Benfica

A ver se deixo o blogue actualizado. 
Ainda fica a faltar a semana passada, mas isso fica para amanhã.

Só por curiosidade e para saberem novidades do Spike, na segunda-feira lá fui ao canil. Caso não tenha ficado bem explícito no treino com o Spike o quão stressado é este cão, aqui vai uma amostra do que o Spike pode fazer num pequeno momento de distracção da nossa parte e mesmo pensando nós que ele não chegaria a uma prateleira um pouco alta (não que não chega...).
A tampa da minha garrafa SIGG toda roída pelo Spike
E depois para lhe tirar a garrafa da boca? É preciso tentar ser-se mais esperto do que o Spike, o que não é fácil. O Spike tem mesmo muito stress acumulado e é capaz de comer tudo o que apanha. Ele até consegue abrir o frigorífico. Não estou a gozar! O pequeno frigorífico que temos no canil tem de estar fechado com uma corrente à volta, visto que o Spike e a sua companheira Fafá costumam estar soltos na zona da entrada que é onde se encontra o frigorífico. Ele até já foi internado de urgência no veterinário e teve de fazer uma limpeza ao estômago. Palavras do veterinário: "ele tinha o estômago cheio de todo o tipo de porcarias". 
Depois de o ter visto a comer dois toalhetes de limpeza não fiquei muito espantada com isto. 
Enfim, isto tudo para que não hajam dúvidas que o Spike é um cão mesmo muito stressado e que precisa mesmo de libertar as suas energias. Está para breve o próximo treino com o Spike =)

No dia seguinte, 8 de Janeiro, fiz 25 anos.
E no dia seguinte acordei com algumas dores de garganta. É um facto que quase todos os anos fico doente pela altura do meu aniversário e este ano não foi excepção. Ao que parece também é um facto (li uma vez na revista Sábado) que temos maiores probabilidades de morrer no dia do nosso aniversário. Ok, calma. Não quer dizer que vamos todos um dia morrer no dia do nosso aniversário, não é? Mas que não é uma coisa assim tão rara como se possa pensar. O que quero dizer com isto é que aparentemente ficamos mais sensíveis, mais fracos talvez, no dia do nosso aniversário. Eu pelo menos fico. Claramente.
Apesar de estar com algumas dores de garganta não parecia ser nada de especial e eu sentia-me bem por isso à tarde fui ao ginásio experimentar os meus novos ténis de corrida. 
Como ainda estou na fase de experimentação ainda não corri com eles na rua e por isso ficará para mais tarde um artigo de comparação entre os ténis velhos e os novos. "Velhos" é como quem diz. Vou continuar a usá-los por enquanto nas provas até estar completamente habituada aos outros e nalguns treinos onde chova mais ou assim.
Para já o que posso dizer é que, pelo que corri na passadeira do ginásio, os meus novos ténis de corrida parecem ser bastante jeitosos. São leves, dão um bom amortecimento e estou-me a dar bem com eles.
Corri apenas 20 minutos, mas a primeira impressão com que fiquei foi boa.

No dia seguinte estava ligeiramente pior das dores de garganta e estava mais chochinha. Apesar disso e porque numa decisão um pouco em cima da hora e numa oportunidade que não podia deixar passar, eu e a minha mãe tivemos entretidas com os preparativos para a viagem que faríamos na semana seguinte (a semana que agora passou). Sexta parecia estar melhor, mas como estava a chover achei melhor não ir correr à chuva para não ter uma recaída. Fiquei sossegadinha em casa, mas nesse dia tive um grande desgosto. Um amigo meu desiludiu-me. E desiludiu-me por ter falhado, e em grande, para com uma amiga nossa. Pensamos que se há pessoa que não nos vai desiludir é aquela, e depois...
Talvez devido a esse stress extra no sábado estava outra vez pior. De tal maneira pior que ao final da tarde estava toda embrulhada nos cobertores e a sentir-me claramente com febre. O termómetro veio confirmar aquilo de que já suspeitava. Não gosto nada de tomar medicamentos. Evito sempre ao máximo, mas como tinha a Corrida de S.Domingos no dia seguinte não queria facilitar. 
É que ainda por cima a prova do dia seguinte seria mesmo especial:

  • 1ª prova do ano
  • 1ª prova com a camisola dos 4 ao km
  • 1ª prova com 15 km
  • 1ª prova com 25 anos

Tinha tudo para ser uma prova espectacular e inesquecível. Infelizmente esteve longe da perfeição.

Eu sou um bocado teimosa. A teimosia, embora com algumas semelhanças com a persistência ou determinação não é bem a mesma coisa. Normalmente, entendemos a teimosia como uma coisa negativa, enquanto que a persistência é uma coisa positiva. Penso que tenho um pouco das duas. Por isso o facto de ter acordado cedo no domingo e ter corrido os 15 km de uma prova com um percurso super monótono pode ser entendido como um acto de grande persistência e coragem, mas também pode ser entendido como "esta gaja é mesmo teimosa e devia era ter ficado quietinha, pois podia ter arranjado um belo dum 31".

A verdade é que quando acordei no domingo me sentia um pouco melhor e não estava com febre, por isso decidi arriscar e lá fui eu. Quando cheguei à zona de partida, junto ao jardim zoológico senti-me até um pouco mais animada e pensei para comigo que até me ia fazer bem correr e que ia ficar mais bem disposta (vêem o sorriso?).
Os membros dos 4 ao km presentes: Orlando, Eberhard, Lúcia, João, Isa e Carlos
Aqui também com o Nuno e a Sandra
E aqui com a Mafalda
Eu até estava animada graças a este convívio e quando foi dado o tiro de partida eu sentia-me mais ou menos bem. Os primeiros kms correram bem e o meu pensamento era que iria conseguir terminar a prova, mas então já não me lembro bem por volta de que quilómetro comecei a ficar para trás e a sentir-me cansada e sem forças nas pernas. O João manteve-se comigo, mas não disse nada. Mais à frente recuperei um pouco as forças e voltámos mais ou menos ao ritmo inicial. Aí é que o João comentou comigo que eu me tinha ido um pouco abaixo e perguntou se eu já me estava a sentir melhor. Disse-lhe que de facto tinha tido uma quebra, mas que no momento já me estava a sentir melhor e que em principio iria conseguir terminar a prova. Só que infelizmente este momento na "mó de cima" não durou muito e a partir do km 10 todos os kms, excepto um que foi ligeiramente melhor, seriam feitos acima dos 7min/km. Ia numa luta interior para não parar e disse isso ao João. As pernas pesavam-me, doía-me a anca, doíam-me os joelhos. Seria tão fácil parar ou andar só um bocadinho. Mas era a minha primeira prova com a camisola dos 4 ao km, era a minha primeira prova com 25 anos. Não podia desistir! Não queria desistir.
O João ia tentando distrair-me com a conversa e isso ajudou um pouco. Íamos passando por algumas pessoas conhecidas, principalmente do João, mas algumas eu também conhecia. Acenavam-nos, sorriam-nos, davam-nos força. Era como que mais um empurrãozinho para mim. Mas havia algo muito aborrecido nisto tudo. É que o percurso era do mais monótono que há. Andámos para a frente e para trás na mesma avenida sei lá quantas vezes, ao que parece 3 vezes e meia. Para quem já está com vontade parar, não foi uma grande ajuda. 
Ah já chegámos ao fim da interminável avenida...ah, mas agora temos de voltar tudo para trás...agora seguimos para outro sítio, não? Não. Voltamos tudo outra vez para trás. 
Quem me viu a correr entre os 10 e os 15 km pode confirmar que eu ia praticamente a arrastar-me. Ia quase a andar de tão devagarinho que ia. O João até me disse que eu fiz um km mais lento do que o meu  km mais lento da Meia! Isto diz tudo.
Se esta prova teve uma coisa boa foi precisamente mostrar que mentalmente até me aguento bem. Mas ia mesmo numa conversa interior comigo mesma, a convencer-me a mim própria a não parar.
Quando finalmente virámos à direita e saímos da longa avenida foi um grande alívio. Havia uma descida, mas eu não conseguia acelerar. Eu só queria a meta. Estávamos quase. Já se via a meta. FINALMENTE!!!


1h40 depois acabou o sofrimento.
Se me perguntarem como consegui, tudo o que posso dizer é que fui teimosa ao bom estilo duma rapariga do signo Capricórnio =P. Estou a brincar (mais ou menos). Se há prova que foi feita sobretudo mentalmente foi esta. O corpo pedia para parar, mas eu convenci-o a aguentar, que à tarde viria o descanso numa cadeira de cinema.

Agradecimentos especiais:
João Lima
Obrigada pela companhia, por te teres mantido junto à tartaruga e a teres distraído com as tuas conversas sempre interessantes.

À tarde sentia-me um pouco melhor e como já tinha combinado ir ao cinema com uma amiga minha que não via há 6 meses e que só esteve em Lisboa dois dias, não faltei ao combinado e lá fomos nós ver "Decisão de Risco". Um bom filme para ver quando vamos andar de avião dois dias depois...

12 comentários:

  1. A tua corrida foi a prova que tens uma alma que muito te irá ajudar aquando a tua primeira Maratona.

    Foi um prazer ir ao teu lado e apreciar a tua enorme força de vontade (nome mais correcto do que teimosia!)

    Tal como já te disse algumas vezes, vais longe! :)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. =)
      Obrigada pelas tuas palavras.
      Beijinhos

      Eliminar
  2. Quando pensamos que estamos cansados e exaustos estamos a um terço daquilo que o nosso organismo aguenta. É tudo uma questão mental, como foi o caso que tu própria admitiste. É a mente que domina o corpo e não o contrário... Bom esforço! Melhores corridas virão. Bons treinos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É que é mesmo isso, é tudo uma questão mental.
      Bons treinos!

      Eliminar
  3. Eeheh, pobre Sigg! :)
    Pode ser um bocadinho das duas: teimosia ou força de vontade. Não tem mal ser teimosia, desde que haja um bocadinho de moderação (às vezes não há, contra mim falo!). Acabou por ser um dia bom, o tempo foi o menos importante (embora esteja solidária, que a minha primeira prova de 15km também não foi das melhores).

    Beijinhos e parabéns atrasados!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, foi um dia bom com um momento menos bom. Mas eu sou da opinião que muitas vezes são estes momentos menos bons que nos fazem crescer e que nos fazem aprender alguma coisa.
      Beijinhos e obrigada :)

      Eliminar
  4. Quando estiveres em dificuldade numa corrida, vais lembrar-te desta e segues em frente.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, é o lado positivo do que aconteceu.
      Beijinhos e bons treinos.

      Eliminar
  5. Oi Isa!!
    Antes de mais MUITOS PARABÉNS!!!
    Aproveita ao máximo este ano, pois tens 1/4 de século! Gosto dessa perspectiva do que "tenho 25".
    E que dia! Tua primeira corrida do ano, como uma camisola amarela, 15km e acima de tudo: mental!
    Sabes, o Capricórnio tanto é teimoso com persistente.
    O sistema imunitário é influenciado pelo externo e acima de tudo pelo nosso interior (sentimentos, emoções, alimentação) e tu mostras-te tanto ao teu corpo como a Ti mesma "who is the boss".
    Muito bom mesmo!
    Um beijo grande, espero que estes 16 dias do teu 1/4 século tenham sido maravilhosos!
    Domingo espero encontrar-te.
    Um beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Lígia! Já pareces um amigo meu, que diz a mesma coisa, mas ele diz "JÁ temos 1/4 de século!".

      E concordo contigo, os nossos sentimentos e emoções acabam por ter uma grande influência no nosso sistema imunitário. Como tive algumas emoções fortes nessa semana e algumas foram más, acho que isso se fez notar externamente. O mais importante é que no dia da corrida consegui superar-me a mim própria.

      Beijinhos e até domingo!

      Eliminar
  6. Olá Isa, andava eu por aqui a colocar a leitura dos meus blogues preferidos em dia (tenho tido uma semana complicada a nivel de trabalho), quando deparo com este teu post.....Parabéns atrasados!!! Ninguêm tem 25 anos hoje em dia :D
    Beijinhos

    ResponderEliminar