sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Grande Trail Serra d'Arga, beleza e dureza de mãos dadas

Quando há menos de 3 anos comecei a correr estava longe de imaginar que chegaria aqui. A uma ultra-maratona. Pelo caminho duas maratonas de estrada e uma em trilhos. Tenho 26 anos. Quero andar nisto por muitos anos, haja saúde para isso.

Desde que comecei a correr conheci muitas pessoas, pessoas fantásticas de todas as idades. 
Conheci o Vitor, na altura mal sabia o que o futuro nos reservava. 
Corri em estrada e em trilhos. Fiz provas de diversas distâncias, umas correram de forma espectacular, outras nem por isso. Mas todas foram especiais.
Tal como um dia descobri que adoro correr, um dia também descobri que existiam provas acima dos 42 km, as ultra-maratonas! Tudo o que seja acima da distância da maratona é uma ultra. 53 km é uma ultra-maratona. E o Grande Trail Serra d'Arga é das ultras mais famosas do nosso país. Que melhor prova para nos tornarmos ultras?

E assim, após mil e uma peripécias, mais do que aquelas que aqui relatámos, no dia 27 de Setembro iniciámos a nossa viagem rumo à Serra d'Arga. Da viagem apenas quero relatar um episódio deveras...interessante...à saída do Porto, pousada em cima duma placa estava...uma águia. Uma águia no Porto. Foi uma imagem bonita ;)

Chegámos a Vila Praia de Âncora ao inicio da tarde e pouco depois estávamos a caminho de Dem para fazermos o reconhecimento da zona. Lá chegados deparámo-nos com uma pacata terra no sopé da serra. Tivemos logo o feeling que iriamos "trepar" aquele "monte"...

Em Vila Praia de Âncora.
Ah amanhã, só para começar, vamos logo ter de subir aquilo....

Depois de nos termos familiarizado com Dem, seguimos para Caminha, local onde se levantavam os dorsais para a prova e onde iríamos assistir a uma palestra dada pelo Carlos Sá.
A entrega dos dorsais estava uma grande confusão, o que vale é que a fila que estava menos confusa ainda era a dos 53 km (não são assim tantos os malucos que se metam numa coisa destas....). E assim levantámos os dorsais 537 e 538 (com a sorte que eu tenho o dorsal com um 8 foi parar ao Vitor =P....) e o material que foi oferecido, camisola de manga curta de compressão e meias de compressão do Carlos Sá Nature Events. Depois fomos então assistir à palestra onde não faltou informação sobre nutrição pré, durante e pós-provas longas. O grande Carlos Sá falou-nos da prova, dos pontos de abastecimento e das subidas ou descidas a ter mais atenção. Ainda houve tempo para um filme sobre a aventura lusa em Badwater, o que só nos fez ter cada vez menos dúvidas que o Carlos Sá é um extraterrestre! É impressionante que depois de ter corrido 200 e tal km's no Vale da Morte na Califórnia e ter ficado em 3 ºlugar, no dia a seguir juntou-se ao vencedor da prova e escalaram o Mount Whtiney. Como se não bastasse no dia a seguir ou nos dias a seguir foram ao Grand Canyon e toca de descer aquilo tudo e depois voltar a subir... Extraterrestre, certo?
A prova da existência de vida extraterrestre ;)



A palestra foi muito interessante e aprendemos coisas muito úteis para futuras provas.
O nervoso miudinho começava-se a sentir.
Eu só pensava "amanhã vamos fazer 53 km, amanhã vamos fazer 53 km, amanhã vamos fazer 53 km."
Para me acalmar tinha esta bonita vista à saída da palestra.


Após uma grande e saborosa pratada de massa era tempo de descansar, no dia seguinte esperava-nos uma grande, enorme aventura. Bons sonhos.

5h45 toca o despertador. É hora de levantar, equipar e entrar em pânico.
7h estacionamos o carro em Dem, ainda está escuro.
Encontramos caras conhecidas, a Rute, o Artur e mais tarde o João Cravo.
Com a Rute somos 3 atletas dos 4 ao km presentes.
Enquanto esperamos pelas 8h vou ficando mais nervosa. E se não conseguirmos? E se chegarmos aos 33 km após as 6h30? Tanto treino para acabarmos com 33 km? 
Estou nervosa sim, mas também entusiasmada com a aventura que estou prestes a viver com o Vitor.

Em Dem, a menos de 1h da partida.
A escassos minutos da partida.
Foto tirada do FB da prova.

Há uma atmosfera de mistério e aventura no ar. O que nos reservam as próximas horas? Que aventuras iremos viver? Que dificuldades iremos ter? Que obstáculos teremos de ultrapassar? Mais importante que tudo, que alegrias e vitórias nos trará Arga?

E assim, em ambiente de festa, numa pequena aldeia chamada Dem, às 8 badaladas da manhã partimos para a nossa aventura.

Após uma primeira volta dentro da aldeia e com algumas pessoas às portas ou janelas das casas a aplaudir-nos começámos inevitavelmente a subir.


Nesta altura tão inicial ainda iam muitos atletas juntos, quer dos 53 km, quer dos que iam fazer a prova de 33 km. Começámos a subir, a subir, a subir, até cerca do km 5 foi sempre a subir. Tanta rocha e tanta pedra!
Como ainda íamos relativamente frescos a subida até se fez mais ou menos bem e conseguimos manter-nos quase até ao fim da subida junto da Célia Azenha. Esta grande atleta faz ultras como se fossem provas de 10 km.
À medida que íamos subindo, as vistas eram cada vez mais soberbas.


Foto tirada do FB da prova.

Foto tirada do FB da prova.
Como podem ver pelas fotografias, estávamos a subir acima das nuvens. A última foto é particularmente elucidativa do que foi esta primeira grande subida, subida esta que até foi a mais fácil de todas. Muita inclinação, muita pedra. Mas eis que chega o final da primeira subida.

O Vitor a chegar ao topo da primeira serra que tivemos que escalar.
Depois disto seguiram-se km's ora a descer ora planos, corria-se relativamente bem não fosse tanta pedra e tanta rocha. Mas íamos bem, felizes e satisfeitos com o tempo que íamos a fazer. Para já a margem era boa para a barreira dos 33 km.

Vejam-me bem estas paisagens.
Foto tirada do FB da prova.
Ó para eles tão animados :)
Foto tirada do FB da prova.

Já não sei precisar quando apareceu o primeiro abastecimento, ou foi ao km 7 ou ao 9. Sei que adoptámos a estratégia simples de não perder mais que 1 minuto em cada abastecimento. Dá cá um gomo de laranja, dá cá umas batatas fritas e siga que em frente é o caminho.
Os km's foram passando, os abastecimentos também e íamos a sentir-nos bem. Olhávamos para o relógio e víamos que tínhamos x tempo para chegar à barreira dos 33 km. Estava tudo controlado, não podíamos era facilitar. Agora, não tirar fotos em tão bonita serra? Desculpem mas não resistimos! Ao longo da prova foram mais de 100 fotos e a maioria até foi antes dos 33 km :)

Olha a selfie!
Ah queres galhofa? =P

Como podem ver, íamos bastante animados. Íamos a dar o nosso melhor mas também íamos a desfrutar e a viver bem a aventura. Para nós não faz sentido ir a estes sítios lindissimos, viver estas aventuras e não trazer estas belas recordações de tão bons momentos.


Até para atravessar rios tivemos que passar por cima de rochas....

Ia tudo muito bem, tudo muito animado, tudo muito lindo quando ouvi um atleta comentar com outro que um amigo seu lhe tinha enviado uma sms a dizer que tinha demorado meia hora para fazer o último km da subida que se seguia. Meia hora para 1 km!!! O pânico instalou-se.

Adoro esta foto! É das minhas preferidas!
Não é para me gabar, pois fui eu que a tirei ;)
Mas reparem na paisagem de montanha lá em baixo e o Vitor a caminhar
junto à ravina.
Eu acho esta foto brutal!


Nesta descida cruzámo-nos com um rapaz que vinha a subir...de mota! Gente, nem vos digo nem vos conto! Impressionante! E a maluca sou eu? De mota a subir com aquela rocha toda! E depois voltou para trás e desceu tudo! A mota saltava no ar durante a descida! Até ficámos todos parados a olhar estupefactos. Repito, e a maluca sou eu? ;)

Chegámos então ao último abastecimento antes dos 33 km. Estava tão stressada com a TAL subida!
Quando ela apareceu, só me apetecia dizer asneiras. Subimos um nadica de nada e eu já estava exausta. Ainda faltava para aí 95% da subida! Nestas alturas penso sempre que devia era ter ficado sossegadinha em casa, não tenho pedalada para estas coisas do trail, muito menos para provas com mais de 50 km! Isa, ganha juízo e deixa-te destas coisas! (claro que isto depressa me passa)
Mas esta subida para mim foi a pior da prova. Juntou-se a dureza da prova, dureza que se sentia no físico, à parte psicológica. O medo, o pânico de não conseguirmos chegar a tempo ao controlo dos 33 km. 

Posso adiantar-vos que aos 23 km tinhamos 2h20 para fazer 10 km. 1h10 para cada 5 km. Pensámos logo que daria à vontade. Pensámos mal!

A subida fazia-se a muito custo. Só nos apetecia parar várias vezes, mas olhávamos para o relógio e um alarme interno começava a soar "Não vai dar, não vai dar, não vai dar"!
Eu sentia-me esgotada, sei lá se era muro ou não, sei que estava muito cansada e a respiração não era fácil. Depois o Vitor perguntou-me se eu ia com dores de cabeça ou tonturas. Respondi que não, mas ele disse que ia a sentir algumas tonturas. Da altitude só podia! Não podíamos facilitar mas também não tínhamos grandes forças para subir. A passada era lenta, muito lenta, mas lá nos fomos arrastando por ali acima. 
A certa altura um atleta disse que já faltava menos de metade para o tormento terminar. Perguntei-lhe se conhecia o percurso e se sabia se depois disto era a descer. Eu estava mesmo preocupada com o tempo-limite dos 33 km. Respondeu-me que depois era plano e a descer e que era corrível. Viríamos a verificar que não era bem assim...

Esta subida era tão brutal que quando um atleta chegou ao seu topo, meteu-se em cima duma rocha e gritou cá para baixo em modo de grito de guerra "F....-se!!!!". Como o compreendi! Disse ao Vitor que quando chegássemos lá acima eu ia gritar todas as asneiras e mais algumas eheheheh :)
Lá continuámos por ali acima a passo de caracol e eu a pensar que era bom que depois disto o caminho fosse de facto "corrível" senão estávamos lixados!
Como que a gozar conosco, quando estávamos quase a chegar ao topo a subida inclinava mais. Raios para isto!!! Só mais um último esforço e...está quase...é só mais uns metros....ESTAMOS CÁ EM CIMA!!!
Que subida horrível! As coisas onde uma pessoa se mete só porque mete na cabeça que consegue! Mas é um facto, conseguimos :)

Chegados lá acima o stress era muito (90% eu, 10% do Vitor)  mas era inevitável parar no abastecimento de água. Depois lá seguimos tentando dar o nosso máximo para chegarmos ao controlo dos 33 km antes das 6h30 de tempo limite. Não seria fácil....
Tal como aquele atleta nos tinha dito o percurso agora era plano embora com alguma lama mas nesta altura o Vitor teve uma quebra de energia e começa-me a andar! Toma um gel para recuperar energia o mais rapidamente possível e lá recomeça a andar. Vou preocupada com ele, vou preocupada conosco, mas ele agora já vai bem. Foi só uma quebra de energia. Vamos tão stressados por causa do controlo que passamos perto de uma manada de vacas e nem lhes tiramos fotos...Nós que tiramos fotos a tudo....

E então iniciámos, finalmente, a descida. A descida era só pedras e rochas misturadas nalgumas zonas com lama...Muito corrível....Foi mais ou menos aqui que o meu stress começou a aumentar. Descíamos mas não víamos o fim à descida, ou melhor, até víamos mas nós estávamos bem cá em cima e os 33 km eram bem lá em baixo no vale...
Seguíamos por ali abaixo e o tempo a apertar. Pelo meio das pedras havia uma espécie de riacho, as pedras estavam escorregadias. Ia com muito cuidado com medo de dar um tralho. AI CA NERVOS! Ia muito nervosa, muito pessimista. A certa altura ia mesmo rabujenta. Não íamos conseguir, tanto treino para fazer só os 33 km. Não íamos conseguir. O Vitor ainda ia optimista e dizia-me que íamos conseguir, ainda dava tempo. Eu ia mesmo stressada e começaram a querer cair-me umas lágrimas. Não cheguei a chorar mas fiquei com os olhos húmidos. Sabia que quando chegasse aos 33 km ia chorar de uma maneira ou de outra. Ou de alegria por termos conseguido, ou de tristeza e frustração por não termos conseguido.
E de repente PUM!!! Caí. Felizmente foi só o susto e o rabiosque aparou a queda pois caí sentada :)
Mais nervos! Toca a levantar rapidamente temos uma missão a cumprir! Entretanto chegámos aos 33 km mas controlo e abastecimento nem vê-los! Comecei outra vez a reclamar que assim não íamos mesmo conseguir. Não me lembro de alguma vez ter estado tão nervosa numa prova. 
E então o Vitor grita "É JÁ ALI!"
Entrámos na aldeia, uma senhora da organização batia palmas e dizia que tínhamos conseguido. E depois acrescentou "E dentro do tempo-limite!". Mas eu ainda não estava convencida, vejam bem o meu stress! Onde estava o controlo? Como sabíamos que tínhamos mesmo conseguido e poderíamos continuar na ultra?
Ok Isa podes acalmar! O controlo está ali, apenas uns metros à frente. Conseguimos!!! Vamos poder continuar! 

Demorei algum tempo a acalmar. Não cheguei a chorar mas estive muito perto. Simplesmente não podia falar pois se falasse as lágrimas iriam jorrar. Aguentei-me e acalmei-me. 
Ah e claro que demos um beijo apaixonado :)
Ainda tínhamos chegado com alguma margem, chegámos com cerca de 6h15/6h20. Mas às 6h30 eles fecharam mesmo o controlo e todo o pessoal que ainda vinha atrás de nós já não conseguiu passar. Imaginem a frustração! Eu nem quero imaginar.

Já há algum tempo que vinha muito aflita para ir fazer um xixizinho. Aproveitámos o abastecimento dos 33 km para alongar, para eu aliviar a minha bexiga e para comer alguma coisa. Fruta, batatas fritas e donuts. Também tinham caldo verde mas achámos melhor não inventar.
Os abastecimentos eram bons, mas houve uma grande falha. Onde estava o tomate com sal? O meu grande amor? Onde estava ele? No próximo ano tenho que dar uma palavrinha ao Carlos Sá ;)

Tivemos para aí uns 10 ou 15 minutos neste abastecimento. Sobretudo a acalmar (mais eu que ele) e a mentalizar-nos para o que ainda aí vinha.
Acabámos por relaxar nesta segunda parte. Mesmo que acabássemos depois das 11h íamos fazer os 53 km e isso é que interessava. Para stress já tinha bastado a primeira parte da prova. 

Seguimos caminho rumo à meta da nossa primeira ultra.
Primeiro fomos a andar e depois retomámos o passo de corrida. Nem 5 minutos passados tivemos de parar para o Vitor tirar umas pedras dos ténis. Pacífico Vitor, estás na boa, agora já não há pressa :)
Seguimos o nosso caminho a correr até chegarmos a uma das zonas mais bonitas de toda a prova. Uma zona mais verde e com uma cascata lindíssima. Claro que parámos para tirar fotos. Claro que quisemos ir lá dentro refrescar as pernas :) Viver a aventura!




O Vitor foi mais aventureiro que eu e foi mesmo molhar as pernas até ao joelho. Eu fiquei-me ali sentada numa rocha a refrescar as pernas. A água era muito transparente, só apetecia ficar ali de molho e não seguir mais caminho mas lá arranjámos força para deixar aquele paraíso para trás. Como perdemos algum tempo aqui na cascata fomos apanhados pelos atletas vassoura que já vinham a acompanhar outros dois atletas. A partir daqui seguimos todos juntos na zona mais verde de toda a prova. Quase sempre junto a riachos, numa zona mais técnica mas que se fez relativamente bem.

Continuámos nesta zona bem mais verde mas a certa altura regressámos às rochas. Só podia!
E depois o último abastecimento antes da meta. O dos 43 km! Mais comidinha boa porque a seguir vinha uma subida brutal! Seguimos novamente caminho com os nossos vassoura. E foi muito bom, pois estes dois atletas eram bastante simpáticos e faladores. O Isaque e o Miranda deram-nos conselhos, contaram-nos histórias. Foi um espectáculo! O Isaque então tem uma história de vida impressionante e ficámos entretidos com a sua história e com a sua incrível evolução.

Já íamos na subida. Nesta altura eu já não tinha energia nenhuma. Ia a andar e não era depressa...
O Vitor dava-me força dizendo que depois íamos comer um grande jantar, mas eu respondia que só queria uma cama para me deitar.
Apesar de tudo posso garantir-vos que ia feliz e satisfeita. Sabia que ia terminar. Podia não conseguir correr, podia ir cheia de dores nas costas, nos gémeos, nas coxas e nos abdominais mas o caminho era em frente. Nunca nos passou pela cabeça desistir. 

Ia tão distraída que quase deixava passar estes meninos lindos:


Conseguem vê-los?
No meio das rochas estavam uns cavalos selvagens.

Continuávamos a subir. De vez em quando o Isaque ou o Miranda diziam "Bora lá Isa, bora lá Vitor, força Isa, força Vitor." Foram incansáveis! Eu ia MUITO cansada mas sorria e de vez em quando também dizia "Bora lá!" para me motivar a mim mas também para que eles percebessem que eu não estava morta, estava bastante viva! E assim continuámos a subir, chegando a uma zona onde o terreno já era menos acidentado. Depois já só faltava a subida ao T0. Muito falavam eles do T0, estávamos curiosos para conhecer esse famoso T0. Mas para lá chegarmos ainda tínhamos que praticamente escalar uma autêntica parede de rochas com os 4 apoios. Curiosamente até fizemos bem esta escalada pois era inclinada mas relativamente curta. E assim chegámos ao famoso T0.

Apresento-vos o T0 :)

Como podem ver o T0 é uma formação rochosa que permite um abrigo das intempéries ou apenas uma paragem para picnicar. Se não fossemos com os vassoura, nunca teríamos conhecido o T0, pois o T0 estava ligeiramente desviado do percurso e poucas pessoas devem saber que ele está ali. Tivemos sorte, o Miranda e o Isaque eram extremamente conhecedores da Serra d'Arga. Vantagens de ir em último lugar, um privilégio ter conhecido o T0 ;)

Depois de feito o pequeno desvio para conhecer o T0, foi a vez de apenas eu fazer um desvio para mais um xixinho. Desta vez tive mesmo de fazer em plena natureza. Lá encontrei umas rochas (coisa muito difícil de encontrar na Serra d'Arga....espero que percebam a ironia....) e lá fiz o que tinha a fazer num mini mini T0 eheheh :) Vinha tão aflita que se não fosse ali...não sei não...



Pois é caros leitores, depois de uma grande subida só podia vir...uma grande descida.
O Isaque e o Miranda já nos tinham dito que a última descida da prova era 5x pior que outra que tínhamos feito. Tinham toda a razão!

Uma descida de 3 ou 4 km cheia de pedras e rochas. Mas porquê? Porquê?
Ainda estávamos a começar a descer quando o Isaque telefona para pessoal da organização que está na meta, olha para o nosso ritmo e diz isto para o outro lado da linha: "Ainda vamos demorar para aí 1 h..."
Eu e o Vitor olhámos automaticamente um para o outro, as nossas expressões diziam tudo. Não precisámos de palavras, ambos pensámos "Uma hora a descer???????????!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!???????????"

Que remédio tivemos nós se não descer, os dedos dos pés a baterem contra a frente dos ténis, cada músculo do nosso corpo a queixar-se, de vez em quando um pé a escorregar e quase que se torcia um pé. 
O Isaque ia-nos dando força e disse que não queria ter de ligar o frontal. Desafiou-nos a chegar à meta sem ser necessário ele ligar o frontal. Não seria fácil, estava a ficar escuro e o caminho pedregoso não ajudava.

Estávamos tão fartos de descer! Até que finalmente acabou a zona de pedras e chegámos a um sítio onde, imagine-se, dava para correr :)
Com quase 53 km conseguimos arranjar umas forças extra para tentar chegar à meta antes de escurecer completamente. Já estávamos em Dem, já ouvíamos algumas pessoas a aplaudir. Apanhámos outros dois atletas e o Isaque propôs que acabássemos em grupo. A nós juntaram-se mais uns elementos da organização e eu só sorria. Podíamos ser os últimos, podíamos estar bem para lá do tempo limite das 11h mas naquele momento pensei "Não queria que fosse de outra maneira. Assim está perfeito."
Víamos o Carlos Sá e mais elementos da organização na meta à nossa espera. Eu sorria, olhava para os meus companheiros de chegada e sorria. Demos alguns gritos, podíamos ser os últimos mas fizemos a festa.
O Isaque nunca chegou a ter que ligar o seu frontal :). Mas assim que cruzámos a linha da meta era noite. Foi mesmo ao segundo!
Não sabemos ao certo quanto tempo demorámos pois à algum tempo que os nosso relógios tinham ficado sem bateria, mas pela hora de chegada devemos ter demorado por aí umas 11h45. 

O grande Carlos Sá entregou-nos os coletes de finishers e deu-nos os parabéns, nós também lhe demos os parabéns pela organização da prova. Um senhor muito simpático ajudou-me a tirar o chip. Depois de feitos os agradecimentos aos nossos companheiros vassoura eu e o Vitor seguimos até ao carro, eu desejosa de me deitar numa cama, ele desejoso de comer :)
Mas arranjámos um meio-termo, fomos jantar uma pizza enorme e depois fomos dormir :)

Foi uma grande aventura, a nossa maior até à data. Paisagens muito bonitas, um percurso bastante duro e uma boa organização são os ingredientes base para uma boa ultra. São os pormenores que tornam a coisa especial. A cascata, os cavalos selvagens, o T0, os ensinamentos e conselhos recebidos de quem anda nisto há mais tempo que nós. Obrigada Isaque e Miranda. Muito obrigada.

Obrigada a todos vocês pela vossa força e por terem acreditado em nós. Isso foi muito importante para nós, acreditem.

A companhia do Vitor foi imprescindível, poder partilhar 53 km com ele foi mágico.
Vitor, se não fosses tu a acreditar naqueles km's antes dos 33 não sei se eu teria conseguido chegar lá antes do tempo-limite. Mantiveste a cabeça fria quando foi necessário e deste-me palavras de apoio quando precisei.
Até me ajudaste a comer a última fatia de pizza :)
Obrigada por tudo!
Venham as próximas!!!

Somos ultra-maratonistas! 
Conseguimos ultrapassar todas as dificuldades e terminar 53 km na duríssima Serra d'Arga. Foi realmente muito duro mas no dia seguinte já pensávamos "também não foi assim tãooo duro..." e já fazíamos planos para as próximas ;)
O nosso limite ainda não são 53 km. O ser humano consegue ir bem longe se trabalhar para isso. 
E nós vamos trabalhar para continuarmos a superar-nos.

20 comentários:

  1. "Não queria que fosse de outra maneira. Assim está perfeito." esta frase resume o que é o trail para nós, atletas de pelotão :) Muitos parabéns ultra Isa! E boa sorte À procura do teu limite, parece-me que ainda está bem longe!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada ultra Filipe :)
      Beijinhos e boas aventuras!

      Eliminar
  2. Bonito e emocionante relato, que me fez sentir um pouco a vossa Ultra. Muitos parabéns ao dois (eu sabia que vocês conseguiam) e bem-vindos ao clube. Gostei muito do T0 ....foi um privilégio terem-no conhecido, ao contrário da maioria que nem sabia que ele existia....fez-me lembrar a minha participação no Paleozoico, em que ao fim da primeira grande subida, e sem que o percurso fosse esse, e embora meio morto, decidi escalar mais umas rochas para me sentar bem lá no alto, descansar um pouco e contemplar as vistas....de resto só tenho a dizer que essas fotos metem verdadeiramente nojo :) e que estou fartinho de ouvir falar neste Ultra Trail espectacular sabendo que dificilmente poderei participar...que inveja (da boa, claro).
    Beijinhos Isa, e um abraço para o Vitor

    P.S. Ouve lá, se tu não tens conta no FB, como é que fostes sacar as fotos, hein?????? :):):)
    P.S.2 Quem é que disse que não existem águias no Porto...tu própria dizes que foi à saída do Porto....Salgueiros, só pode :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vivemos experiências fantásticas.
      Um dia também iremos ao Paleozóico e um dia irás a Arga :)
      Beijinhos e bons treinos rumo ao Porto

      p.s.O FB da prova é aberto a todos :) Mas por acaso quem foi lá buscar as fotos foi o Vitor ;)
      p.s.2. Eheheh =p

      Eliminar
  3. Não tenho palavras para descrever a admiração que tenho por tudo o que são e o que fazem. E este texto e esta prova é bem o espelho disso. Unem-se num objectivo e não deixam que nada roube os vossos sonhos.
    É um grande orgulho e honra ter-vos como grandes amigos!

    PARABÉNS ULTRAS!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada amigo.
      Unidos jamais seremos vencidos :)))
      Beijinhos grandes

      Eliminar
  4. "também não foi assim tãooo duro..." e já fazíamos planos para as próximas ;)
    E a louca és tu?!?!?!? Ah podes crer que és!!! eheheheeheheh MAS AINDA BEM!!!!

    Que grande desafio e que grande prova!!!!

    Estão de parabéns ultra amigos!!!
    :)

    Foram fantásticos!!!

    Como sempre.... :)

    Um enorme beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eheheh, pois somos loucos, somos!
      Obrigada amiga. E obrigada por toda a tua força pré-prova.

      Beijinhos grandes e bons treinos

      Eliminar
  5. Muitos parabéns pela conquista de mais uma aventura a dois!
    Engraçado como o nosso cérebro leva pouco tempo a iludir-se de que não custou assim tanto... :D Pouco depois de ter terminado já começava a achar que fazia mais uns bons kms "na boa". :D :D Somos muita fortes!! ihihi :)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Rute! E parabéns a ti por mais uma!
      Eu acho que isto é viciante, a adrenalina vicia, mas ao menos é um vício saudável :)
      Beijinhos e bons treinos para as próximas aventuras

      Eliminar
  6. Parabéns seus grandes campeões! Pouco a pouco foram trilhando o vosso rumo e conseguiram. Beijinhos e abraços.

    Ps. Quando é a próxima? ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Sílvio.
      A próxima depende de alguns factores...queríamos que ainda fosse este ano mas se calhar só em Janeiro. Em Novembro temos a Maratona do Porto :)
      Beijinhos

      Eliminar
  7. Muito mas muito bom!
    Parabéns, ao dois, a ti, a ele, ao T0:).
    Frases fantásticas para reter, assim como a imagem de esforço, tenacidade e força fisica e mental, assim como da dedicação que foi necessária para conseguir terminar.
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada :)
      Este tipo de provas exige mais força mental do que propriamente física mas claro que a parte física também é muito importante, sem treino nunca teríamos conseguido.
      Beijinhos

      Eliminar
  8. Isa, adorei o teu relato deste nosso grande desafio!
    O tempo limite nos 33 km, obrigou-nos a um ritmo mais forte, isso condicionou a segunda parte da prova, isso e as descidas. Sim, as descidas cheias de pedras molhadas, algumas foram feitas a ritmo mais lento do que certas subidas.
    Não nos arrependemos do tempo perdido com as fotos e na cascata, são momentos que ficam para sempre.

    Conseguimos, somos ultras!

    Estiveste muito bem Isa, esta prova não é fácil, como menor ou maior dificuldade, seguiste sempre em frente.
    Foi muito bom ter partilhado contigo as dificuldades e a beleza da prova, como todo o fim de semana.
    Estarei sempre presente para te apoiar nas dificuldades e se precisares de ajuda para dar cabo de uma pizza:)
    Venham mais, quero outros fins de semana destes!

    Beijos ultra gigantes

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agora tens que estar à altura do meu relato... =P
      Um dia destes...quando o escreveres...eheheh

      Como dizes, são momentos que ficam para sempre.
      Também adorei ter partilhado contigo esta grande aventura. Agora quero poder partilhar contigo aventuras ainda maiores :)
      O nosso limite ainda não foi atingido. Somos ainda mais fortes!

      Beijinhos ultra gigantes

      Eliminar
  9. Parabéns !!
    Que grande aventura :D
    Que grande relato , de uma prova magnifica...

    Foi mesmo brutal... :)

    Parabéns Isa e Vitor .

    ...venham as próximas !
    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada :)
      E parabéns a ti por mais uma para o currículo!

      Arga é mesmo brutal! Em todos os sentidos ;)
      Mas claro...venham as próximas!

      Beijinhos

      Eliminar
  10. Isa fantástico relato, fiquei muito contente por saber que tanto tu como o Vítor conseguiram cumprir o objectivo e tornarem-se Ultras.

    Muitos parabens
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Obrigada João. Custou mas conseguimos! :) Somos ultras!
    Parabéns a ti também! Também ficámos contentes por ti.
    Beijinhos

    ResponderEliminar